Ex-diretor da Petrobras preso pela PF é afilhado de Sarney

650x375_paulo-roberto-costa-petrobras_1398750

 Andreza Matais – O Estado de S.Paulo

Conhecido no Congresso como “o homem que resolve”, Paulo Roberto Costa teve o apoio de PP, PMDB e PT nos oito anos em que esteve na Diretoria de Abastecimento da Petrobrás, até ser demitido em 2012, após a chegada de Graça Foster à presidência da estatal. Frequentador assíduo de gabinetes na Câmara e no Senado, Costa interferia tanto em casos de disputas internas nos partidos pela vaga de líder como financiamento de campanha.

Colegas dizem que Costa tinha mais poderes na empresa do que o diretor da área internacional, Nestor Cerveró, apontado pela presidente Dilma Rousseff como responsável por omitir do Conselho de Administração dados sobre o contrato da refinaria de Pasadena. Cerveró apresentou ao conselho um documento sem cláusulas do contrato de compra. Dilma disse que, se soubesse dessas cláusulas, não apoiaria o negócio.

Sua prisão ontem, pela Polícia Federal, foi interpretada no Congresso como um recado aos amigos do “operador” que defendem a CPI da Petrobrás. Não há dúvidas de que, caso se sinta pressionado e decida contar sua experiência na Petrobrás de 2004 a 2012, o número de investigados numa possível CPI poderá aumentar.

Tamanha era a eficiência de Costa que ele conseguiu ter a indicação “embarrigada” por vários caciques partidários. O primeiro apadrinhamento veio da bancada do PP. Depois, no PMDB, o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), e o senador José Sarney (AP) são apontados como padrinhos do ex-diretor. No PT, também tem boas relações. Em 2008, o deputado estadual Gilberto Palmares (PT-RJ) concedeu ao então diretor o título de “cidadão do Estado do Rio de Janeiro” pelos “serviços prestados” e por “desempenhar suas funções com profissionalismo ímpar”. Três anos depois, os vereadores Rubens Andrade (PSB) e Patrícia Amorim (PMDB) também deram uma honraria a Costa na Câmara Municipal.

Na Petrobrás, Costa era considerado braço forte de Gabrielli. O ex-diretor ajudou a redigir o contrato de compra da refinaria de Pasadena pela empresa, um negócio sob suspeita de superfaturamento e evasão de divisas, investigado por Polícia Federal, Tribunal de Contas da União e outros órgãos.

Entre suas atribuições estava a de adaptar as refinarias de modo a aumentar a taxa de conversão de diferentes tipos de óleo. A refinaria de Pasadena, por exemplo, seria adaptada para processar óleo produzido pela Petrobrás.

Ao deixar a estatal, o ex-diretor montou uma consultoria, a Costa Global.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>