Notícia

Escutec: Ildon Marques não tem muito a comemorar

Apesar da prévia comemoração do candidato sarneyzista, Ildon Marques (PSB), e do seu aliado Roberto Rocha (PSB), pela liderança na pesquisa para a Prefeitura de Imperatriz, o resultado não foi tão favorável como os aliados do grupo se apressaram em comemorar. Um detalhe passou despercebido e é fundamental para fazer qualquer tipo de análise, a rejeição do ex-prefeito é praticamente a mesma que a porcentagem de votos.

Em São Luís, nas últimas eleições, o prefeito João Castelo (PSDB) também estava na frente em todos os cenários, porém tinha igual rejeição. No segundo turno, Castelo manteve seus votos do primeiro, mas não conseguiu atrair novos eleitores, ao contrário de Edivaldo que acumulou os votos dos demais candidatos e foi eleito.

Para piorar a situação, na pesquisa estimulada, Ildon Marques (26,2%) mantém distância de pouco mais de 6% para o delegado Assis Ramos (PMDB -19,8%) e Rosângela Curado (PDT -19,2%) que estão empatados tecnicamente. Ou seja, dificilmente Ildon vai conseguir atrair novos eleitores, os seus votos fazem parte de um eleitorado consolidado e com a campanha em pleno vapor a tendência é que os candidatos do PMDB e do PDT cresçam. Ainda, não está descartada uma aliança de Rosângela Curado e do candidato do PCdoB, Marco Aurélio (18,2%) os dois somados teriam 38,4% das intenções de voto, o que daria a liderança a dupla na pesquisa.

Outro agravante é o passado de Ildon Marques. Curado e o delegado Assis possuem uma história política curta, decidir atacar os dois na tentativa de tirar votos deles seria uma estratégia sem objetivo nenhum. Ao contrário de Ildon, que ficou marcado pelo seu passado como cúmplice da oligarquia, por contas reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado e pela manutenção de funcionários fantasmas como prefeito, um desastre abissal que ele vai ter que contornar.

Sem falar que Ildon pode até estar no PSB, mas o PSB não está com ele. O ex-prefeito de Imperatriz entrou na legenda a convite único e exclusivo de Roberto Rocha. Ele tem a rejeição de 90% da militância e dos principais nomes do partido. Sua entrada representou a saída de figuras importantes, como a ex-presidente do partido no município, Rose Vicentini, que acusou Roberto de “sarneyzar” o PSB e, por isso, deve apoiar outra candidatura do campo político liderado por Flávio Dino.

Pesquisa eleitoral não se aprecia, se analisa e apenas os tolos não abrem os olhos para ver a realidade que esta mascarada diante desses números.

A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo MA­0086/2016.

Comentários estão desativados

Os comentários estão desativados.