Notícia

Denúncia de corrupção na Secom de Bolsonaro faz MP pedir revisão de gastos publicitários do governo

O Ministério Público de Contas informou que vai pedir ao Tribunal de Contas da União (TCU) a revisão das contas do governo do presidente Jair Bolsonaro em razão das denúncias que surgiram contra o chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência (Secom), Fabio Wajngarten. O secretário teria montado um esquema de corrupção através da empresa FW Comunicação e Marketing, na qual ele é sócio majoritário.

O procurador Lucas Rocha Furtado informou aos jornalistas Fábio Fabrini e Julio Wiziack, da Folha de S. Paulo, que irá entrar com uma representação no TCU na próxima sexta-feira (17), quando termina o recesso de fim de ano do tribunal. A motivação da ação seria a denúncia de que Wajngarten recebe dinheiro de emissoras de TV e de agências de publicidade contratadas pela própria secretaria, ministérios e estatais do governo Jair Bolsonaro.

Wajngarten assumiu o comando da Secom em abril de 2019. A partir daí, passou a ser o principal sócio da FW Comunicação e Marketing, que oferece ao mercado um serviço conhecido como Controle da Concorrência. Ele tem 95% das cotas da empresa e sua mãe, Clara Wajngarten, outros 5%, segundo dados da Receita e da Junta Comercial de São Paulo.

Band e Record entre outras

A Folha confirmou que a FW tem contratos com ao menos cinco empresas que recebem do governo, entre elas a Band e a Record, cujas participações na verba publicitária da Secom vêm crescendo.

O negócio, além de antiético, é ilegal. A legislação proíbe que integrantes da cúpula do governo mantenham transações comerciais com pessoas físicas ou jurídicas que possam ser afetadas por suas decisões. A prática implica conflito de interesses e pode configurar ato de improbidade administrativa, demonstrado o benefício indevido. Entre as penalidades previstas está a demissão do agente público.

Questionado pela Folha, Wajngarten confirmou ter hoje negócios com a Band e a Record. Ele não informou os valores, justificando que os contratos têm cláusulas de confidencialidade. “Todos os contratos existem há muitos anos e muito antes de sua ligação com o poder público”, afirmou, por meio de nota da Secom. (Revista Fórum)

Comentários estão desativados

Uma resposta para “Denúncia de corrupção na Secom de Bolsonaro faz MP pedir revisão de gastos publicitários do governo”

  1. Douglas disse:

    Falta ver o gasto de publicidade tambem do governo Flavio Dino que ja torrou mais de 20 mi com propaganda enganosa.