Notícia

Foice e martelo são do século 19 afirma Flávio Dino

Dino2

O governador do Maranhão, Flávio Dino, confirmou em entrevista que o PC do B (Partido Comunista do Brasil), ao qual é filiado desde 2006, passará por reformulações em sua identidade visual, com alterações no nome e no símbolo da legenda. Para ele, os atuais símbolos, a foice e o martelo, são “do século 19”.

“Temos outras formas do trabalho que têm de estar representadas. Então é 1 processo em curso. Muito provavelmente haverá algum desfecho como outros países já fizeram no planeta, inclusive, no Brasil”, afirmou.

Flávio Dino argumenta que a palavra “comunista” deve ser retirada do nome da sigla por causa do preconceito que se tem quanto ao seu significado ideológico político-social.

“Infelizmente, por conta dos ecos das ditaduras, difundiram-se muitos preconceitos contra a palavra ‘comunista’. É uma coisa meio curiosa, porque não há inclusive base etimológica. Comunista é comunhão, comum, comunidade. Então, a origem etimológica da palavra remete só a coisas boas: comunhão, partilha, comunidade”, completa.

O governador ressalta e rebate críticas à possibilidade de mudanças no partido. Para ele, “é curioso que haja 1 patrulhamento” em detrimento ao partido, considerando que muitos partidos no mundo já fizeram modificações em suas identidades.

“Todos podem, menos o PC do B. Ou seja, cobram que nós sejamos dogmáticos. Às vezes nos criticam dizendo: ‘O PC do B está traindo o seu ideário’. Mas por quê? Uma atualização não é necessária? Claro que é necessária”, contribui.

O governador do Maranhão adverte na entrevista sobre sua atuação em busca de uma conciliação entre os partidos de esquerda, na tentativa de formar o que chama de “frente ampla” para disputar contra partidos de direita ligadas ao presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2022.

Comentários estão desativados

3 respostas para “Foice e martelo são do século 19 afirma Flávio Dino”

  1. Flávio disse:

    Estamos no século 21 e o Maranhão vive no século 19.

  2. Sr governador podem mudar símbolos, sim, mas a “etmologia” da defesa esquerda é a mesma. Não me engana.

  3. Caldas disse:

    *() Parágrafos.

    (1) Podem mudar a roupa, mas os orgãos, o dna e a ideologia partem das mesma premissas. Mas, do ponto de vista estratégico, é uma ótima ideia e terá resultados. sic (exceto para aqueles que estudam).
    (2) Pauta singular do Foro de São Paulo.
    (3) Por favor, um estrutura argumentativa dessas não cola em quem pelomenos já ouviu o nome do Sr. Karl Marx. Desviar o foco do conteúdo é realmente um estratégia da dialética Erística. A ideologia comunista não advém da semântica ou da etimologia da palavra, mas sim de todo um corpo teórico e prático encabeçado por Marx, Stalin, Gramich, Trotsky, Gramsci, entre outros. Basta ler um pouco sobre a URSS par ver que de “comunhão, comum, comunidade. Então, a origem etimológica da palavra remete só a coisas boas: comunhão, partilha, comunidade”, completa”, não tem NADA.

    (7) A democracia de esquerda é quando o poder é revesa só por eles.

    Indicações: https://contraosacademicos.com.br/da-ideologia/ ; https://contraosacademicos.com.br/o-pensamento-conservador-de-eric-voegelin/; http://olavodecarvalho.org/direita-e-esquerda-origem-e-fim/ .

    P.S: Exercendo, com respeito, meu direito de livre expressão (Inciso IX do Artigo 5 da CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988).