Tal pai, tal filho

Filho de Ribamar Alves dá ‘piti’ em restaurante do Distrito Federal

Thiago Zacariotto Lima Alves, médico e político maranhense, ex-secretário de Saúde de Santa Inês, foi protagonista de um ‘chilique’, em restaurante do Distrito Federal, na segunda (27), por volta das 20h30. Ele teria se irritado com suposta demora na entrega de um lanche e foi armado ao estabelecimento, para ameaçar funcionários e cobrar o produto. A discussão foi gravada por câmeras de segurança.

O pedido de duas pizzas, foi feito por aplicativo de entregas. No entanto, o endereço cadastrado não era o da residência de Thiago Alves. Revoltado com a ‘demora’ no envio da encomenda, o médico apareceu armado no local e exigiu a entrega imediata.

Thiago Alves teria ido ao estabelecimento duas vezes, segundo o dono da loja. Na primeira, alegou não ter recebido o lanche e pedido que a entrega fosse feita em endereço diferente do que constava no aplicativo. O caso é investigado pela 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul).

Tretas

Thiago Alves responde por improbidade administrativa, devido irregularidades em processos licitatórios, na época em que comandava a Semus de Santa Inês. O Ministério Público do Maranhão encontrou indícios de irregularidades em pregões realizados no ano de 2013, que teriam sido cometidos por Thiago, que era titular da Semus, e pelo pai dele, Ribamar Alves, prefeito da cidade na ocasião.

Os documentos apontam problemas em processos, ausência de recolhimento e retenção do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) para atividades prestadas, ausência de comprovantes de despesas, irregularidades em custos de contratos e até ausência de licitações, envolvendo valores que ultrapassam os R$ 26,8 milhões.

Tal pai, tal filho

Thiago Alves mostra que filho de peixe, peixinho é. O pai, Ribamar Alves, tem um histórico de presepadas que já renderam até prisão. Em janeiro de 2016, Ribamar, então prefeito de Santa Inês, foi preso em flagrante, pelo estupro de uma jovem de 18 anos. Em depoimento à época, a vítima disse que o prefeito teria convidado ela para sua casa, afirmando que compraria os livros que vendia para a igreja a qual frequentava. Alves negou a acusação e disse que a relação aconteceu com a permissão da jovem.

Em 2013, Ribamar foi denunciado pela juíza Larissa Tupinambá Castro, que era titular da 2ª Vara daquela Comarca, por tentar beijá-la à força. Ele distribuiu nota à imprensa negando o assédio sexual e fazendo graves insinuações contra a magistrada, dizendo, inclusive, que a juíza teria que se desculpar publicamente. Alves acabou sendo condenado pela Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, cuja pena foi alterada para doação de cestas básicas. Outras tretas do ex-prefeito envolvem suposto caso de pedofilia, um ‘namoro virtual’ de estudante do Distrito Federal e oferta de emprego para amiga da amante.

Comentários estão desativados

Os comentários estão desativados.