Paraíso Fiscal

Luciano Hang manteve offshores não declaradas por 17 anos

O empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, manteve por 17 anos uma empresa num paraíso fiscal, sem informar às autoridades que tinha dinheiro no exterior, como determina a lei. Criada em 1999 nas Ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal no Caribe, a offshore só foi regularizada em 2016, graças a uma lei sancionada pela presidente Dilma Rousseff. É o que apontam documentos obtidos pelo projeto Pandora Papers, do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, na sigla em inglês).

Dois anos depois de ser regularizada, a empresa de Hang, chamada Abigail Worldwide, tinha em conta US$ 112,6 milhões, o equivalente a R$ 604 milhões, pela cotação atual do dólar. O valor aparece num documento do banco suíço EFG Bank encaminhado a Hang em 16 de outubro de 2018. O “Interim Portfolio Valuation” (avaliação provisória da carteira) é o registro de 30 páginas com citações a investimentos em 178 empresas multinacionais e brasileiras.

O cenário é esse: Hang se autodeclara nacionalista, anda de terno verde e amarelo, mas na hora de investir, segue a receita dos empresários globalizados: aplica seus recursos em locais que não cobram impostos de offshore, como é o caso das Ilhas Virgens Britânicas.

Comentários estão desativados

Os comentários estão desativados.