Preconceito

Em discurso, deputada bolsonarista Mical Damasceno mostra preconceito contra influencer maranhense

A deputada estadual evangélica Mical Damasceno (PTB), já conhecida por seus discursos carregados de ódio e preconceito contra as minorias, criticou o fato da influencer maranhense Alex Brito, conhecida como Bota Pó, ter sido a escolhida para fazer a propaganda de divulgação da plataforma de ensino online Gonçalves Dias, lançada pelo Governo do Maranhão. 

Em discurso proferido durante a sessão dessa quarta-feira, 27, na Assembleia Legislativa, a parlamentar desejou que outros estudantes fizessem a propaganda da plataforma, desmerecendo o fato de Bota Pó também ser estudante da rede estadual de ensino, no município de Bacabal, e de possuir grande representatividade, até fora do Maranhão, por causa do seu trabalho.

 “Trata-se de um jovem, um adolescente de 16 anos, que tem um codinome Bota Pó. Isso mesmo! É Alex Brito, um adolescente homossexual, que se veste como mulher, e que ficou conhecido nas redes sociais por colocar pó na cara. Meu Deus do céu! Por fazer maquiagem. Ele foi escolhido e chamado para fazer a propaganda da plataforma de ensino do nosso estado. Queridos, façam as suas próprias conclusões, mas eu chamo isso de doutrina ideológica com o dinheiro público”, afirmou a deputada.

Não satisfeita, Mical ainda chamou a influencer de aberração. “Um adolescente, um menino, que se veste de mulher, que ensina a se maquiar, é que representa os estudantes maranhenses. Isso é uma aberração! Isso nos traz tristezas. Eu fiquei estarrecida quando eu vi esse vídeo com esse garoto que vai fazer a representação da plataforma digital!” afirmou.

O que está por trás do discurso da parlamentar nada mais é do que o preconceito contra a influencer maranhense em razão da sua orientação sexual. O mesmo preconceito mostrado pelo senado Roberto Rocha (PSDB) que, em uma postagem na rede social, praticou o crime de transfobia contra a jovem influencer.

Por causa dessa postagem, que até já foi apagada, Rocha poderá ser processado: a Secretaria Estadual de Direitos Humanos e Participação Popular acionou a Defensoria Pública, Procuradoria Geral do Estado e o Ministério Público para que adotem as medidas necessárias sobre o crime de transfobia cometido pelo senador. Quem sabe a deputada Mical não poderá ter o mesmo destino…

Comentários estão desativados

Os comentários estão desativados.