HOLOFOTES

Dino aproveita omissão de Bolsonaro e “assume” Justiça antes da hora

Com a “vacância geral da República”, estabelecida após a quarentena de Jair Bolsonaro (PL) – postura igualmente adotada por ministros mais próximos ao presidente –, o ex-governador Flávio Dino (PSB) tomou a frente da Justiça e Segurança Pública antes do previsto.

As depredações e incêndios de veículos promovidos por manifestantes na noite desta segunda-feira (12/12), em Brasília, na data em que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSB) foram diplomados pelo TSE, levaram a um caos generalizado na capital federal.

Dado o silêncio do atual titular do MJSP, Anderson Torres, e do delegado-geral da PF, Márcio Nunes, Dino e Andrei Rodrigues – que assumirão oficialmente seus postos em 1º de janeiro de 2023 – ladearam o secretário de segurança pública do DF, Júlio Danilo, durante coletiva de imprensa para tratar dos atos.

Com o apoio da imprensa, Dino assumiu o protagonismo da ação e, em fala realizada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), garantiu que o presidente eleito não foi exposto a qualquer risco diante dos ocorridos. Disse também que medidas para responsabilizar os culpados foram tomadas e que o processo de identificar e punir os vândalos vai prosseguir nos próximos dias.

Após o anúncio da coletiva de imprensa da futura cúpula de segurança federal, Anderson Torres surgiu nas redes sociais com o tweet abaixo:

Comentários estão desativados

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: