Padre Wiliam desrespeita Lei Federal e Decreto Municipal que exigem uso de máscara em Alcântara - Marrapá

Destaque

Padre Wiliam desrespeita Lei Federal e Decreto Municipal que exigem uso de máscara em Alcântara

O pré-candidato a prefeito de Alcântara, padre William (PL), que está no grupo de risco de contágio ao novo coronavírus por ser um idoso de 78 anos de idade, desrespeita a quarentena, a Lei Federal Nº 1.652/2020, aprovada na Câmara e Senado Federal que exige uso obrigatório de máscaras em todo território brasileiro.

Durante andanças pela zona rural do município de Alcântara, Padre Wiliam posa para fotos ao lado de moradores sem máscaras, mostrando que pouco está preocupado com a população alcantarense, quanto à proliferação do novo coronavírus o município.

Fotos mostram que Padre Wiliam, aliado do deputado federal Josimar de Maranhãozinho, maior apoiador de sua candidatura em Alcântara, visita casas nas comunidades Itaúna e Paraíso onde fica ao lado dos moradores sem máscaras.

O pré-candidato Padre Wiliam também esteve no povoado Corre Fresco onde posou ao lado de moradores também sem o uso de máscaras.

Para quem realmente pensa no melhor para o povo de Alcântara, deveria no mínimo respeitar o Projeto de Lei Federal, já que não cumpre o Decreto Municipal que exigem a obrigatoriedade de uso de máscaras, já que estaria se prevenindo e posteriormente prevenindo a vida de seus conterrâneos.

O Padre Wiliam simplesmente descumpriu o Projeto de Lei Federal e o Decreto Municipal, dando mau exemplo ao povo de Alcântara.

CONHEÇA A LEI QUE EXIGE USO DE MÁSCARA NO BRASIL

O projeto de lei (PL 1.562/2020) que obriga a população a usar máscaras de proteção facial em ruas, espaços privados de acesso público (como shoppings) e no transporte público foi aprovado a Câmara e Senado. A medida vale enquanto durar o estado de calamidade pública decorrente da pandemia de covid-19.

De acordo com o texto, a obrigação de usar as máscaras na boca e no nariz se estende ao serviço de transporte por aplicativos e aos táxis, assim como a ônibus, aeronaves ou embarcações de uso coletivo fretados, além de estabelecimentos comerciais e industriais, templos religiosos, escolas e demais locais em que haja grupo de pessoas.