Brasil

Flávio Dino em outro patamar

Passado o frisson e a repercussão das eleições municipais de 2020, todos os olhos se voltam agora para a conjuntura que virá pela frente com vistas a formação de alianças e grupos para as eleições em 2022.

E é aí que entra a figura de Flávio Dino, que parece estar em outro patamar, dada a sua participação na análise do que foi a eleição deste ano e os cenários que se formaram para o próximo pleito.

O governador do Maranhão está, hoje, mais preocupado com as costuras nacionais do que dentro do seu próprio estado. Como sempre afirmou, Dino não tem pretensões de formar uma nova oligarquia local, e mira mais em um projeto de construção do fortalecimento do campo progressista no Brasil.

Como esse parece ser o seu foco principal, o Maranhão, em 2022, deve repetir o que ocorreu em São Luís em 2020, com candidaturas oriundas do grupo de Dino disputando entre si.

E a postura de imparcialidade do governador tem tudo para ser a mesma, já que a conjuntura de uma Frente Ampla progressista no Brasil para derrotar o bolsonarismo tem sido a tônica dos seus pronunciamentos.

Ou seja, Dino “lavará as mãos” no primeiro turno em 2022, sobretudo se não disputar nenhum cargo no Maranhão. Talvez por isso é precipitado analisar, hoje, a próxima eleição.

Tudo vai depender de uma série de variáveis. A principal delas: Dino está de olho na eleição nacional.

Comentários estão desativados

3 respostas para “Flávio Dino em outro patamar”

  1. DIMITRI disse:

    Embora concorde com essa visão macro política do Governador Flávio Dino, vejo que deverá ser o candidato natural ao senado.

  2. Esquerda nunca mais disse:

    Este outro patamar não deve durar muito. Os péssimos indicadores do Maranhão que conseguiu a proeza de alcançar a útlima posição em todos os índices que medem a pobreza e o desenvolvimento humano dos Estados, associado com o afundamento de sua base política após as derrotas políticas nos principais municípios do Estado, farão em breve a mídia acordar para a propaganda enganosa que é este governador, discípulo do presidiário Lula.

  3. NONATO disse:

    OUTRO PATAMAR ? MARRAPÁ ! PATAMAR DE BAIXO …